Posts de dezembro de 2016

Aos 30 e as Promessas

Em 26.12.2016   Arquivado em Projetos

Come lentilha. Come 7 uvas e guarda as sementes na carteira. Dá 3 pulinhos. Ou pula enquanto come as uvas?
Joga champanhe pra trás! Pula 7 ondas. Pede pra Iemanjá, ou pro universo, ou pra quem quiser escutar!
Começa a dieta dia 01. Dia 02, ano começa dia 02. Mentira, ano começa depois do carnaval!
Será mais estudioso. 1 livro por mês é a meta.
Unha toda semana e cronograma capilar do começo!
Um novo hobby, um instrumento musical.
Um novo idioma?
Trabalho voluntário: uma boa pessoa.
Mais encontros com amigos. Mais família.
Mais passeios.
Mãe melhor, esposa melhor.
Um ser humano melhor!

Aos 30 e a Solidão

Em 23.12.2016   Arquivado em Desculpe o Transtorno

Às vezes acho que a condição para alguém gostar de mim, é estar longe.
A pessoa está longe e comenta que gosta de mim, que gostaria de estar perto, gostaria de ajudar…
Mas se estou perto, afasto pessoas.
Se estou em SP tenho a sensação de solidão e que meus amigos estão no RJ. Se estou no Rio, fico achando o contrário.
Não é a geografia, sou eu, né?

Eu não me sinto sozinha, na real eu sou só.
Tenho a companhia diária da minha filha, mas não tenho como ter certos diálogos com uma criança de 5 anos.

Sinto falta de amigos. Não de pessoas específicas, sinto falta de ter amigos, sentir amigos, ver amigos.
Sempre que há um encontro, eu vou, eu faço de tudo para ir. Se eu não fui, pode ter batido o pânico, ou minha saúde não colaborou.
Tenho que dizer isso, pois se eu me queixo de solidão, sempre há uma réplica que diz “ah, mas você…”.

Ok, pessoas, eu já admiti que sou eu então, só estou tentando aliviar a bagunça que está aqui dentro, a solidão que bateu, o nó na garganta que está insuportável e doendo demais!

Não sei se desejo amigos para 2017, se desejo encontros, desses que vejo pessoas normais tendo, saindo, abraçando, vivendo…
Ou se desejo não sentir falta disso.

Mas eu sinto. E dói.

Aos 30 e os Olhinhos Brilhando

Em 20.12.2016   Arquivado em Good Vibes

Minha terapeuta sacou isso, eu meio que duvidei (e escrevi aqui sobre isso), mas agora eu tenho certeza.
Eu estou feliz, estou muito feliz já faz algum tempo.
E eu não estou acostumada a ser feliz!
Fico procurando problema, defeito, obstáculos, sabotando minha felicidade porque me acostumei a ter problema.
Mas eu estou feliz, feliz a ponto de chorar pensando nas coisas que estão acontecendo!
Feliz de ter sorriso bobo e fácil, daqueles que me deixam de olhinhos fechados…
E que esses mesmos olhos brilham, brilham tanto que chegam a chamar atenção!
Eu estou feliz!!!
porra

Aos 30 e os Planos

Em 19.12.2016   Arquivado em Good Vibes

Eu tenho um plano.
Sim, eu sempre tenho um plano.
Eu planejo dias, semanas, meses, anos, passeios…
Eu gosto disso, mas não sofro se o plano mudar.

Ainda bem que eu não sofro com as mudanças! Ô vida pra mudar!

Comecei 2016 sem ter ideia do que seria meu lado profissional. Como eu trabalharia em algo com medo de sair de casa?
E eu não queria mais atuar como Enfermeira, o que é que eu sei fazer?
Bolo.

E escrever.
E organizar.
E planejar.

Encerro o ano trabalhando bem, feliz, realizada.
Compreendendo que até mesmo pessoas que eu me arrependi de ter conhecido no final do ano passado, contribuíram para tudo de bom que aconteceu em 2016.
Olha que louco!
Pois é, é a mágica da vida acontecendo diante dos meus olhos!!! Eu vi!!!

E estou pronta para finalmente aproveitar as coisas boas da vida…

Aos 30 e o Novo

Em 17.12.2016   Arquivado em Terapiando

Não sei se vocês conhecem o trabalho de um Coach, mas eu preciso dizer que eu tenho mais insight em sessão com um do que qualquer dia de terapia.
E na minha última sessão em grupo, quinta-feira dia 15 de dezembro às 20h para ser mais específica, eu enxerguei a causa, o efeito e o melhor, a resolução de muita coisa!

Imaginem uma menina, na 4ª série do ensino fundamental, ciente dos problemas financeiros da família, com uma escola particular que não escondia dela quando a mensalidade estava atrasada.
Agora pensem nessa menina fazendo a sua primeira prova num concurso, concorrendo a uma bolsa de estudos num colégio militar.
Ela não passou, lembro como se fosse hoje que eram apenas 2 vagas e sua colocação embora tenha sido muito boa (entre os 10 primeiros), não foi suficiente.

A sensação de insuficiência, fracasso, de gerar despesa, tomou conta e fez com que eu duvidasse da minha capacidade durante muito tempo.

Foi a melhor coisa não ter saído daquele colégio onde conheci as melhores pessoas que poderia ter conhecido nessa vida.
E vieram outras provas depois, outros concursos com resultados semelhantes e também totalmente diferentes.
Passei para Escola Técnica e fiz o, agora Ensino Médio, sem pagar nem passagem – confesso que tirar essa despesa dos meus pais foi um grande alívio!
Não passei em vestibulares super concorridos de primeira, passei na reclassificação da UFF.
Mas eu nem fui pra UFF (olá, lado financeiro batendo de novo!), pois fui bolsista integral pelo PROUNI e consegui vaga num local maravilhoso, com pessoas incríveis!
Passei no concurso da Prefeitura do RJ e tinha emprego público! Aquele sonho de muita gente, sabe?

Olha quanta coisa eu consegui!
E pra onde mesmo eu olhava e deixava me dominar? Isso mesmo, pela sensação de fracasso daquela primeira prova.

Cara, eu sou foda. Eu sou inteligente, eu sou capaz, eu sou boa em tudo que me disponho a fazer!
E eu vou acreditar mais em mim, na minha capacidade, nas maravilhas que eu SEI que eu posso conseguir!
Eu posso e VOU conseguir tudo que eu quero!

Página 1 de 212