Categoria "Desculpe o Transtorno"

Aos 30 e a Introspecção

Em 04.02.2017   Arquivado em Desculpe o Transtorno

Eu tenho muita dificuldade em me abrir, em permitir que entrem no meu mundo, que saibam minhas cicatrizes, que leiam minha alma.
Vivo com sorriso no rosto e escondendo uma história de vida difícil. Se alguém percebe minha tristeza, eu faço uma piada e fica tudo certo.
Eu sempre “estou bem”.

Mas tem quem chegue de mansinho e me desarme. Tem quem chegou e acalmou, quem chegou e ganhou, e me ganhou.

E eu não deveria ter permitido.

É tempo de me recolher, voltar pro lugar seguro do casulo, encarar a introspecção.
Voltar para o “está tudo bem”.
Deixar de pensar.
Deixar de querer.

Vai passar. E servirá de lição.

Aos 30 e Descobrindo o Mundo

Em 13.01.2017   Arquivado em Desculpe o Transtorno

“Eu não caibo mais nas roupas que eu cabia
Eu não encho mais a casa de alegria
Os anos se passaram enquanto eu dormia
E quem eu queria bem me esquecia
Será que eu falei o que ninguém ouvia?
Será que eu escutei o que ninguém dizia?
Eu não vou me adaptar
Eu não tenho mais a cara que eu tinha
No espelho essa cara não é minha
Mas é que quando eu me toquei, achei tão estranho
A minha bunda barba estava desse tamanho”
Nando Reis – Não vou me adaptar

Pegue um lápis e um caderno.
Liste os últimos 10 anos: 2007 / 2008…
Ao lado de cada um, escreva a emoção que predominou, o sentimento que marcou. Pense nos acontecimentos, nos fatos, nas perdas, nos ganhos.
E aí, como você viveu sua última década?

Em 365 dias minha vida já muda tanto! Perceber isso em 10 anos me mostrou o quanto amadureci, o quanto a vida foi dura, o quanto sofri, o quanto procurei forças pra tentar sorrir.
Enxerguei coisas que eu não gostaria.
Senti falta de algo que eu nunca tive.
Mas eu não vou me adaptar…

Agora tenho 30 anos, e como uma pessoa muito especial me disse, é aos 30 que descobrimos o mundo.

Aos 30 e a Solidão

Em 23.12.2016   Arquivado em Desculpe o Transtorno

Às vezes acho que a condição para alguém gostar de mim, é estar longe.
A pessoa está longe e comenta que gosta de mim, que gostaria de estar perto, gostaria de ajudar…
Mas se estou perto, afasto pessoas.
Se estou em SP tenho a sensação de solidão e que meus amigos estão no RJ. Se estou no Rio, fico achando o contrário.
Não é a geografia, sou eu, né?

Eu não me sinto sozinha, na real eu sou só.
Tenho a companhia diária da minha filha, mas não tenho como ter certos diálogos com uma criança de 5 anos.

Sinto falta de amigos. Não de pessoas específicas, sinto falta de ter amigos, sentir amigos, ver amigos.
Sempre que há um encontro, eu vou, eu faço de tudo para ir. Se eu não fui, pode ter batido o pânico, ou minha saúde não colaborou.
Tenho que dizer isso, pois se eu me queixo de solidão, sempre há uma réplica que diz “ah, mas você…”.

Ok, pessoas, eu já admiti que sou eu então, só estou tentando aliviar a bagunça que está aqui dentro, a solidão que bateu, o nó na garganta que está insuportável e doendo demais!

Não sei se desejo amigos para 2017, se desejo encontros, desses que vejo pessoas normais tendo, saindo, abraçando, vivendo…
Ou se desejo não sentir falta disso.

Mas eu sinto. E dói.

Aos 30 e os Desabafos

Em 07.12.2016   Arquivado em Desculpe o Transtorno

Além de ter um transtorno psicológico, a gente ainda tem que ter tato na hora de falar sobre ele.
Pode acontecer de uma resposta que envolva “eu tenho depressão/ansiedade/síndrome do pânico/bipolaridade…” fazer a pessoa devolver com expressões e atitudes que vão desde considerar vitimismo, passando por considerar frescura, falta de força de vontade até mesmo achar que estamos lançando a carta coringa para… sei lá por qual razão alguém acha que quem sofre disso usaria como desculpa.

Quem vai querer sofrer de algo que faz as pessoas se afastarem?
Que você começa a falar e recebe grandes silêncios, pois “está chato demais”?

E ó, não basta querer melhorar não!
Ou, sendo assim, vou começar a falar pras pessoas que basta querer que a diabetes é curada, ou uma miopia, ou uma gastrite.
Transtorno mental é doença e só não enxerga quem não sabe o significado de empatia!
Não é porque você não vê (até vê mas ignora) os sintomas físicos, não vê isso em exames, que deixa de existir!
Seu prego.

Aos 30 e Transbordando

Em 24.11.2016   Arquivado em Desculpe o Transtorno

Meus pensamentos não cabem numa caixa. Eu já tentei colocá-los ali, mas não cabem! Queria que coubessem e que eu pudesse enterrá-la ou, sendo menos dramática, jogasse no fundo do armário.
Eu penso, logo sinto, logo transbordo.

A sensação de abandono, de solidão, traz dores tão fortes que saem da cabeça e envolvem o corpo inteiro. Parece uma capa de dor que alguém faz eu vestir sem querer.
Sinto todos os meus músculos contraírem, sinto faltar o ar. O chão às vezes some, a mente voa.

E eu sei exatamente o que me deixa assim, sei descrever com riqueza de detalhes cada gatilho que faz essa cascata de eventos se iniciar.
E se eu sei, eu tenho que aprender a evitar.
Porque eu não tenho o poder de mudar atitudes, não tenho uma varinha mágica que faz com que as pessoas enxerguem o que a atitude delas faz.
Eu só tenho é ainda um restinho de força de vontade, de não querer mais me sentir assim.
Eu quero me bastar.
E eu vou conseguir!

Página 1 de 212